• Mariana Soeiro

Já ouviu falar nos “hip dips”? Saiba tudo sobre a depressão trocantérica


Se você os tem, ou os ama ou os odeia! Os “hip dips” – ou “mergulhos do quadril”, na tradução literal – tratam-se do afundamento das laterais dos quadris, entre as coxas e o bumbum.

A característica não provém de nenhuma deformidade; dá-se pelo biotipo e, esporadicamente, pode ser observada em mulheres que treinam glúteos e coxas com grande intensidade.


No mundo da internet, os hip dips já fizeram muito sucesso!

Buscando aumentar a autoestima das mulheres e lutar contra a pressão estética, em 2020 muitos internautas exibiram as ondinhas com a hashtag #violinhips, associando o formato ao instrumento musical de cordas.


Apesar de ser comum – devido à grande variedade anatômica existente no mundo– a forma afundada das laterais dos quadris ainda é muito odiada por quem as têm.

Devido à pressão social colocada acima da ideia de ter um corpo em formato de ampulheta, várias mulheres procuram os consultórios médicos e clínicas de estética em busca de soluções para reverter os hip dips.


Caso esse seja o seu caso, respire fundo! O bisturi nem sempre é a única chance. Confira:


Exercícios podem corrigir os hip dips?

Nos casos onde a anatomia não é o fator causador, sim!

Os hip dips podem ser corrigidos através do equilíbrio nos treinos entre coxas e glúteos, trabalhando com a mesma intensidade as laterais das nádegas.

Seja através de agachamentos, pranchas laterais ou arremessos de perna, seu personal trainer poderá te orientar quanto a melhor forma de conseguir “preencher” os sulcos.

Entretanto, tenha calma: os resultados podem levar tempo. O importante é que a rotina de treinos seja frequente e combinada com uma excelente alimentação e ótimos hábitos diários. O corpo funciona melhor quando tudo está sincronizado!

Treinou, tentou praticar o body positive e mesmo assim não consegue aceitar os quadris de violino? Nesse caso, a lipoenxertia pode te ajudar.


Lipoenxertia para depressão trocantérica

Após imprescindíveis exames pré-operatórios e uma conversa franca com seu médico, a lipoenxertia é realizada sob efeito e anestesia geral ou peridural.

Com pequenas cânulas, o cirurgião irá aspirar o tecido adiposo de outras áreas do seu corpo, como o abdômen.


Após a lipoaspiração, o material coletado é decantado de forma a eliminar quaisquer impurezas e células de sangue que possam existir; o produto final, então, é a gordura extremamente pura e pronta para ser enxertada.


A gordura da paciente é aplicada e modelada nas regiões necessárias de forma a preencher a depressão trocantérica, atingindo o objetivo desejado.

Por ser material biológico próprio, o corpo pode absorver uma porcentagem maior que a esperada do enxerto, podendo ser necessária uma cirurgia de retoque.


E o pós operatório?

Nas primeiras 24 horas após a cirurgia, faz-se necessária a internação da paciente, visando monitoramento e cuidados pós-cirúrgicos.


Os curativos e cuidados devem ser seguidos à risca e de acordo com o combinado com o cirurgião, bem como o banho normalmente só é liberado após dois dias do procedimento.


É imprescindível que a mulher mantenha-se ao menos 20 dias em repouso absoluto, evitando qualquer tipo de esforço físico. Sentar? Só depois de um mês!

Apesar de todos esses cuidados, recomenda-se com afinco a movimentação lenta e constante dos membros inferiores a fim de evitar complicações relacionadas à circulação, como a trombose.


Após os 20 primeiros dias, a mulher pode progressivamente retornar às suas atividades. Entretanto, alguns cuidados devem ser levados em conta com seriedade:

  • Evitar usar salto alto por, no mínimo, um mês;

  • Não dirigir nos primeiros 30 dias pós-operatórios;

  • Cuidar da alimentação e, caso necessário, realizar acompanhamento nutricional;

  • A medicação receitada pelo médico deve ser tomada com responsabilidade, bem como a presença nas consultas de acompanhamento deve ser cumprida à risca;

  • A mulher que realizou gluteoplastia não deve tomar injeção nos glúteos, uma vez que a medicação será injetada na prótese.


Ufa! São muitos os cuidados que devem ser tomados após preencher os hip dips. Por isso, pense com carinho: eles realmente te incomodam ou você está buscando um padrão inatingível de beleza?

Cuide, primeiramente, de você.


1 visualização0 comentário

© 2020 por Mariana Soeiro.

Todos os direitos reservados.
 

Me manda um whats!

(41)99588-2400